sexta-feira, 11 de agosto de 2017

CULTURA DO SUFICIENTE


CULTURA DO SUFICIENTE
A economia global segundo o modelo de cooperação indígena

A maneira como vemos o mundo determina nossa maneira de agir em relação a ele. Na visão da atualidade, com a prevalência de uma cultura global baseada em uma filosofia tradicional ocidental,temos um modelo de economia que está a criar abismos sociais, guerras, escassez e degradação ambiental, com o esgotamento de recursos naturais e crises energéticas.

A partir de matéria publicada pelo site nova consciência, com base no modelo cooperativo familiar, são feitas considerações importantes para refletir sobre o atual modelo econômico, com base na filosofia ocidental, e os princípios da filosofia indígena para uma economia sustentável.

Uma das referências do modelo atual vem do filósofo ocidental Hobbes que descrevia os seres humanos envolvidos em uma guerra uns com os outros por recursos. Uma visão que determina as vidas humanas como solitárias, pobres, desagradáveis, brutais e breves, tendo em vista a ênfase na competição e conflito. E essa percepção do indivíduo, trabalhando sozinho, em competição com os outros, predomina hoje na tradição filosófica ocidental. 

Exemplos disso, nos dias de hoje, são a crise humanitária de refugiados vindos de países de origem árabe como a Síria,em guerra por recursos como o petróleo, bem como países de origem africana, assolados pela pobreza, em grande parte pela atividade de corporações extrativistas que exploram recursos naturais desses países, com manejo de mão-de-obra pouco ou não remuneradas.

Na filosofia indígena, todos os indivíduos estão relacionados como parte de uma comunidade baseada em laços familiares e como parte da natureza em equilíbrio com o todo. As sociedades indígenas enxergam a prosperidade na natureza, preservando seus recursos, compartilhando e cooperando na gestão ambiental.

Na filosofia ocidental, em sua maioria, a sociedade é vista como um agregado de indivíduos cada qual com os seus interesses pessoais em uma competição entre si por recursos limitados, o que gera o sentimento de medo, insegurança e uma escassez de espírito.

De acordo com essa visão, tudo na Terra é classificado: minerais, plantas, animais e tudo é baseado na hierarquia, segundo uma visão antropocêntrica, com os humanos no topo dominando tudo que julgam lhes estar abaixo.

Na maneira que os índios veem o mundo, os seres humanos são uma parte igual num todo vibrante e interligado.


Duas visões do mundo, dois sistemas econômicos muito diferentes.

A economia global atual é impulsionada pela predisposição à escassez de recursos, pela produção intensiva centralizada e por indivíduos com apetite acumulador insaciável.

    1. Para se ter uma ideia, a riqueza combinada dos três indivíduos mais ricos do mundo excede o PIB dos 47 países mais pobres. O mundo tem apenas 497 multibilionários enquanto metade da população sobrevive com menos de dois dólares por dia. 40% dos recursos terrestres são possuídos por apenas 1% da população.

   2. A economia indígena vê o mundo como interdependente, tem produção descentralizada e promove uma gestão de recursos responsável, com abundância, com laços familiares, com a crença de que existe o suficiente para todos, encorajando a partilha e a cooperação, de forma justa e equitativa. Todos esses pré-requisitos para a sustentabilidade, onde a saúde da economia é medida pela saúde do todo.

   3. Para o modelo ocidental, a saúde da economia de mercado é medida pelo Produto Interno Bruto (PIB). Quanto mais produzimos e consumimos, melhor está a economia. Para tanto, há um grande investimento na construção de edifícios, na manufatura, na produção de veículos que são considerados produção positiva, bem como a fabricação de armas e cigarros. Enquanto isso, investimentos com saúde e educação são considerados custos, produtividade econômica negativa. E o impacto dos custos físicos e emocionais das guerras sobre o PIB ou da poluição que ameaça um terço das espécies animais em todo o mundo são consideradas externalidades irrelevantes e estão fora do sistema. Nem sequer aparecem no balanço comercial. Um sistema insustentável onde a escassez de recursos é uma profecia auto-realizável.

O território dos povos indígenas representa 24% da superfície terrestre e abriga 80% de toda a biodiversidade terrestre. E isso não é uma coincidência.Nas culturas indígenas, equilíbrio e harmonia não são noções românticas, mas fundamentos milenares de produtividade.

O que podemos aprender com a cultura indígena é que:

- A natureza é essencial para a sobrevivência.
- A produção e a proteção estão juntas.
- Sucesso econômico sustentável cria bem estar para todos.

Portanto, há que se promover: “uma sociedade que considere todos os seres humanos como iguais, que funcione como uma FAMÍLIA global, utilizando um modelo econômico COOPERATIVO em substituição ao atual modelo nocivamente COMPETITIVO”.

Podemos contribuir com uma economia sustentável, dando preferência ao consumo de alimentos orgânicos, certificados, de produtores locais, bem como de marcas de empresas comprometidas com a preservação ambiental, que destinam parte do valor das vendas, por exemplo, para ações de reflorestamento, preservação de mata nativa, fauna e flora, com solo e rios preservados e menos poluição.Deste modo, estaríamos nos aproximamos de alguns dos valores da cultura indígena que se preocupava com o meio ambiente.

Em nosso dia a dia podemos fazer pequenas escolhas nas compras de produtos que entram em nosso lar de empresas que têm em si uma contribuição com o todo, como exemplos: Mãe Terra, Native, Jasmine, Olvebra, Yoki, Fhom, Bem Orgânico, Sabor Vital, entre outras.Usar produtos de limpeza biodegradáveis, como a linha Ypê, também é uma eficaz maneira de diminuir o impacto na natureza.

Outra maneira de agir ecologicamente é simplesmente utilizar menos plástico, dando preferência a embalagens de papel e metal reciclável e utilizar mais sacolas retornáveis.

É de suma importância evitar o consumo desenfreado, movido por impulso e sem necessidade. Fazer o descarte atento à reciclagem, inclusive de celulares e toda linha de eletrônicos que têm várias partículas tóxicas em sua composição.

Seja qual for a sua tribo, saiba que não é um programa de índio cuidar da nossa natureza! Isso é agir com responsabilidade sobre nosso futuro e preparar um mundo melhor para as novas gerações... Mãos à obra!


Fonte: www.novacomunidade.org


Dizy Ayala

Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook
Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  
dizyayala@gmail.com


segunda-feira, 5 de junho de 2017

VERDE QUE TE QUERO VERDE!

VERDE QUE TE QUERO VERDE!
Por Juarez Rodolpho
Quero ver o verde,
deste chão crescer
sentir o orvalho,
respirar... viver!


Quero a flora mais rica,
quero a fauna forte,
que tenhamos notícias de vida,
não apenas notícias de morte.


Tirem a pele dos casacos,
tirem o couro dos sapatos,
o universo já está cansado,
deste nosso luxo exagerado.


Chega de desmatamento,
chega de poluição.
Vamos seguir o regulamento
Coloque ecologia no coração.

Precisamos reciclar
Precisamos mudar o presente
Não seja um humano ausente
Faça diferente...

Para que o verde no futuro
não seja apenas
uma mera lembrança,
um quadro na parede!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Os gatos e sua conexão mágica com o mundo invisível.



Os gatos e sua conexão mágica com o mundo invisível.


Os gatos têm uma conexão mágica com o mundo invisível. Assim como os cães são nossos guardiões no mundo físico, os gatos são nossos protetores no mundo da energia. Durante o tempo gasto acordado, o gato vai "limpar" a sua casa contra intrusas energias. Quando você dorme, ele filtra e transforma essa energia. O gato muitas vezes pode estar em baixa circulação para ativar essa área Chi, energia vital.

Muitas vezes, o gato olha para o nada a concentrar-se, totalmente seguro... ele vê coisas que não vemos, de insetos microscópicos a seres de outras dimensões. Em certas ocasiões, o seu gato vai para um cômodo isolado e começa a miar, não é só atenção que ele quer, é uma espécie de aviso que ele está dando: a qualidade da energia do lugar precisa melhorar. Os nossos problemas e a tensão diária são absorvidos pelo gato. Quando é demais e o lugar é cheio de energia negativa, não é incomum que o gato adoeça. Quanto mais há harmonia no seu ambiente, menos ele terá de filtrar a energia negativa e, consequentemente, será mais feliz e mais saudável. 

Quando dormimos, nossos corpos astrais são separados do corpo físico e vão para uma quinta dimensão, a dimensão sem tempo ou espaço: a dimensão em que estamos quando sonhamos. Devido à falta de treinamento e preparação, na maioria das vezes não enxergamos essa dimensão, uma vez que é disfarçado e codificado como nossos conteúdos psíquicos inconscientes. Os gatos costumam nos acompanhar e nos proteger nestas viagens astrais ou protegem nosso corpo astral, além de cuidar de nós contra energias de espíritos indesejáveis quando estamos dormindo. Estas são as razões porque eles gostam de dormir com a gente na cama.

Os gatos também monitoram o nosso progresso. Durante a sua vida com a gente, eles transmitem informações para dimensões maiores, servindo como radares e transmissores. Além disso, são como transformadores de energia que ajudam na cicatrização, desempenhando um papel similar ao dos cristais. Os gatinhos são mestres, eles nos ensinam a amar. Um amor livre, não submisso, respeitador para com as diferenças. Assim, muitas pessoas têm dificuldade em viver com os gatos. Primeiro você tem que ganhar a confiança dele. Então você tem que aprender a respeitá-lo. Ele vai demonstrar afeto quando realmente estiver pronto, e não quando você mandar. Os gatos refletem amor.

Do ponto de vista energético, as pessoas que são alérgicas a gatos são as pessoas que têm dificuldade para deixar o amor entrar em suas vidas. De acordo com Caroline Connor, se há muitas pessoas na família e apenas um gato, este pode ser sobrecarregado absorvendo toda a negatividade. É bom ter mais de um gato para dividir a carga entre eles, especialmente nesses casos.

Se você não tem um gato, e de repente você recebe um em sua vida é porque você precisa de um gatinho em um momento específico. O gatinho está querendo te ajudar. Se você não pode acomodá-lo, é importante encontrar uma casa. O gatinho veio a você por algum motivo que você não consegue entender fisicamente, mas você pode descobrir através de sonhos. Muitas vezes, o gatinho aparece, faz o trabalho e vai embora. 
Fique atento para como os gatos reagem a visitas em sua casa. Muitas vezes eles estão tentando proteger-se de um campo de energia negativa ou pesada.

Fonte: GATOMIA Magazine

Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook

domingo, 1 de janeiro de 2017

Conspiração Espiritual: Uma Invasão Silenciosa

Conspiração Espiritual: Uma Invasão Silenciosa
Na superfície da Terra exatamente agora há guerra e violência e tudo parece negro.
Mas, simultaneamente, algo silencioso, calmo e oculto está acontecendo e certas pessoas estão sendo chamadas por uma Luz mais elevada. Uma revolução silenciosa está se instalando de dentro para fora. De baixo para cima.
É uma operação global.
Uma conspiração espiritual.
Há células dessa operação em cada nação do planeta.
Vocês não vão nos assistir na TV.
Nem ler sobre nós nos jornais.
Nem ouvir nossas palavras nos rádios.
Não buscamos a glória.
Não usamos uniformes.
Nós chegamos em diversas formas e tamanhos diferentes.
Temos costumes e cores diferentes.
A maioria trabalha anonimamente.
Silenciosamente trabalhamos fora de cena, em cada cultura do mundo.
Nas grandes e pequenas cidades, em suas montanhas e vales.
Nas fazendas, vilas, tribos e ilhas remotas.
Você talvez cruze conosco nas ruas. E nem perceba...
Seguimos disfarçados.
Ficamos atrás da cena.
E não nos importamos com quem ganha os louros do resultado, e sim, que se realize o trabalho.
De vez em quando nos encontramos pelas ruas.
Trocamos olhares de reconhecimento e seguimos nosso caminho.
Durante o dia muitos se disfarçam em seus empregos normais.
Mas à noite, por trás de nossas aparências, o verdadeiro trabalho se inicia.
Alguns nos chamam de "O Exército da Consciência".
Lentamente estamos construindo um novo mundo, com o poder de nossos corações e mentes.
Seguimos com alegria e paixão.
Nossas ordens nos chegam da Inteligência Espiritual e Central.
Estamos jogando bombas suaves de amor sem que ninguém note: poemas, abraços, músicas, fotos, filmes, palavras carinhosas, meditações e preces, danças, ativismo social, sites, blogs, atos de bondade...
Expressamo-nos de uma forma única e pessoal, com nossos talentos e dons.
Sendo a mudança que queremos ver no mundo.
Essa é a força que move nossos corações.
Sabemos que essa é a única forma de conseguir realizar a transformação.
Sabemos que no silêncio e humildade temos o poder de todos os oceanos juntos.
Nosso trabalho é lento e meticuloso.
Como na formação das montanhas.
O amor será a religião do século 21.
Sem pré-requisitos de grau de educação.
Sem requisitar um conhecimento excepcional para sua compreensão.
Porque nasce da inteligência do coração,
escondida pela eternidade no pulso evolucionário de todo ser humano.
Seja a mudança que quer ver acontecer no mundo.
Ninguém pode fazer esse trabalho por você.
Nós estamos recrutando.
Talvez você se junte a nós ou talvez já tenha se unido.
Todos são bem-vindos.
A porta está aberta.
(autor desconhecido)

Dizy Ayala

Blogueira, Revisora, Escritora, Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook
Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  
dizyayala@gmail.com